terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

O TRIBUNAL DE OSÍRIS: os princípios mitológicos na fé contemporânea


Se existiu uma civilização na história antiga que bem soube representar seus aspectos culturais, econômicos, políticos e sociais por meio da arte, sem dúvida alguma, foi a civilização egípcia. Diante de um acervo incontável de representações, escolhi esta que faz parte do “Livro dos Mortos”, um conjunto de textos que eram colocados junto aos sarcófagos, aonde o morto expunha suas qualidades em vida, assim justificando e pedindo a absolvição da sua alma. Este livro atualmente encontra-se no Museu Egípcio da cidade de Turim, na Itália.
A cena proposta traduz aquilo que seria o “Tribunal de Osíris”.
Osíris que aparece de pé (à direita) era uma das divindades mais veneradas no Egito Antigo. Segundo a mitologia egípcia, ele era o guardião das riquezas materiais e dos mistérios, era o deus comandante da morte, da ressurreição e das transformações. Em seu tribunal, auxiliado por 42 divindades, Osíris era o responsável em dar o veredicto acerca do destino dos falecidos.
Outro aspecto relevante na cena é a presença do deus Anúbis, que aparece agachado ao centro controlando uma balança. Antes de falarmos da simbologia da balança, é de grande valia destacar o aspecto antropozoomórfico no qual Anúbis é representado, ou seja, uma mistura da forma humana com a de um animal, uma característica peculiar dos deuses egípcios. No que se refere à balança, é justamente nela que o coração do morto é pesado. Se bem repararmos na ponta direita da balança há um coração que será nivelado com uma pena, ou seja, para obter a absolvição de Osíris, o coração do morto deveria pesar menos que uma pena. E só isso não basta para a salvação da alma, que uma vez absolvida, ganhava o direito de retornar ao seu corpo, desde que esse esteja em condições de recebê-la. É daí que vem o desenvolvimento da técnica de mumificação, que visava conservar a integridade do corpo após a morte evitando dessa forma, a decomposição do mesmo, além também dos costumes de enterrar os mortos com objetos considerados importantes para aquela pessoa quando em vida.
Para finalizarmos gostaria de externar que a escolha desta imagem foi proposital, pois embora a civilização egípcia antiga tenha se desenvolvido a milhares de anos antes de Cristo, importantes fundamentos religiosos da mitologia egípcia, como por exemplo, o Pecado, o Juízo Final, a Salvação da Alma, a Ressurreição, as noções de Paraíso e de Inferno, são convicções religiosas que perpassam pelos alicerces das três maiores crenças da contemporaneidade: o Cristianismo, o Islamismo e o Judaísmo.
Desde já, agradeço pela atenção e espero a vossa participação!!!!
Saudações Históricas!



11 comentários:

  1. Essa balança ai, com um coração do lado e uma pena do outro, da para fazer um paralelo com a inquisição. Muitas vezes colocavam animais mortos perto dos condenados e só o absolvia se a animal ressuscitasse.
    Ou seja: nunca
    hehehe
    o deus era esperto!

    ResponderExcluir
  2. Caro Hermes,
    Antes de outras considerações, parabéns pelo esforço em criar e manter um blog específico para reflexões articuladas ao discurso histórico.
    O Tribuna de Osíris é apenas uma mostra da circulação de idéias religiosas que já havia naqueles tempos, mesmo sem os meios tão ágeis e rápidos das sociedades hodiernas. Afinal, egípcios, mesopotâmcos, hebreus, persas, dentre outros, realizaram, com certeza, intercâmbios culturais. As idéias religiosas, portanto, circularam e foram sendo adaptadas por diferentes povos.
    A imagem em foco - O Tribunal de Osíris - gera uma discussão ´longa e aberta'. Abraão teria vindo de UR, na Mesopotâmia, região fértil de idéias politeístas e deuses personificados por elementos da natureza. Quanto disso tudo os hebreus não assimilaram? Os hebreus também passaram uma ´temporada' pelo Egito, trabalhando para os Faraós.
    Os egípcios tinham como base de sustentação a agricultura; o Nilo era a principal fonte de vida. Ora, a natureza, portanto, era a grande deusa. Osíris, inicialmente, representava essa força da natureza. Foi ganhando status de 'deus' e, como tal, imortal. Aos poucos a imortalidade foi democratizada: todos tinham direito. Mas, ele decicidia!
    O fato é que os MITOS (no sentido filosófico) fazem parte de (quase)toda manifestação religiosa (do passado e do presente). O Judaísmo é repleto deles! Será que, ao proclamar-se RELIGIÂO, não teria, o Judaísmo, reduzido o valor simbólico dos mitos?
    Talvez. E isso ocorre sempre que um saber se sobrepõe ao outro.
    O fato é que os homens precisam de mitos e deuses. Assim, criaram varios deles. Os egípcios, os hebreus, os mesopotâmicos, os árabes, os europeus...
    Os deuses fazem bem, dão paz, asseguram fertilidade e salvação. Mas, infelizmente, em nome deles, muitos humanos morreram e continuam morrendo. Uma pena...
    Prof. Carlos C Almeida

    ResponderExcluir
  3. Hermes Mendes,

    É interessante saber que existem pessoas com o
    seu perfil, usam o Blog para enriquecer o conteúdo OnLine. Parabéns por se dedicar a produzir textos e continuar se atualizando em sua área profissional. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Valeu Rafa por vossas considerações.
    Seria super interessante que você se faça presente nas postagens vindouras tb!!!!
    Grande Abraço meu velho e tudo de bom!!!

    ResponderExcluir
  5. Grande Daniel!!!!
    Spero q steja td blz contigo e com a família!
    O interessante é q as religiões contemporâneas sustentam um discurso d "único caminho para se alcançar a salvação", ou seja, só há uma maneira de se salvar. Na realidade acabam se contradizendo quando comungam de ações semelhantes q fundamentam tais crenças.
    Como católicos batizados, quanto não herdamos de fundamentos religiosos q não eram considerados cristãos, como por exemplo, a fogueira, que era elemento atribuido ao paganismo e mais tarde se tornou símbolo de purificação tal como vc citou no exemplo da Inquisição e o que dizer da presença delas nas festas de São Pedro e São JOão?

    Grande Abraço irmão!

    ResponderExcluir
  6. dessa parte ei gostei por que eu estou fazendo prova sobre isso coloca mais vezes.

    ResponderExcluir
  7. este texto que publicou foi-me bastante útil. A minha filha está a fazer um trabalho para a escola 7º ano e esta informação é importante. obrigada.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. eai vcs concordao com isso

    ResponderExcluir